Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Putin busca a reeleição numas presidenciais com candidatos inesperados

Putin busca a reeleição numas presidenciais com candidatos inesperados
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro da Federação Russa, Dmitry Medvedev, disse que o partido Rússia Unida procura a reeleição do presidente Vladimir Putin nas eleições de março do próximo ano.

Foi num encontro anual do partido que o primeiro-ministro russo prestou apoio oficial a Putin e disse que o Rússia Unida é fundamental para a reeleição do presidente da Federação.

Este mês de dezembro, Putin, agora com 65 anos, confirmou a intenção em apresentar-se aos comícios, sendo mais do que provável que extenda o seu mandato por três décadas.

Desde o ano 2000 que o atual presidente russo se encontra no poder no país, como primeiro-ministro e como chefe de Estado. Ao vencer as presidenciais, cumprirá um quarto mandato de seis anos, até 2024.

Um congresso com promessas de futuro

Putin agradeceu o apoio do primeiro-ministro e prometeu reformas para um futuro próximo, que permitam um "crecimento económico" e um acesso a necessidades fundamentais como "o sistema de saúde."

Este sábado, o presidente russo pediu "respeito" à oposição e uma "postura responsável", durante a sua presença no congresso do Rússia Unida.

"É preciso tratar com respeito a oposição responsável e que é capaz de agir", disse Putin.

"E ser esse tipo de oposição significa mais do que apenas lutar contra o poder e de nos acusar de todos os pecados mortais. Todos conhecemos os problemas contra os quais se enfrenta o país."

Candidatos da extrema-direita aos comunistas

Espera-se que o atual presidente tenha como rivais políticos na corrida ao Kremlin o dirigente do partido de extrema-direita, LDPR, Vladimir Jirinovski, o candidado apoiado pelo Partido Comunista da Federação Russam, Pavel Grudinin e ainda a candidata liberal, Knesia Sobtchak, jornalista.

Um dos mais importantes opositores a Putin, Alexei Navalny, no entanto, não vai poder participar nas presidenciais, por causa das setença que pesam contra ele na Justiça. 

Navalny é acusado de desvio de fundos, num caso que ele define como "uma invenção". Espera-se, ainda assim, que seja nomeado candidato pelos apoiantes, este domingo.

Comunistas com candidato-surpresa

O Partido Comunista da Federação Russa abandonou a candidatura do veterano Gennady Zyuganov para as presidenciais e escolheu apoiar o homem de negócios Pavel Grudinin, de 57 anos, um engenheiro mecânico que dirige uma quinta na região de Moscovo desde os anos 90.

O Partido Comunista russo parece procurar atrair um eleitorado mais jovem e abandonar a imagem que o liga aos tempos soviéticos. A base eleitoral do PCFR é constituída pelas camadas mais velhas da população e o partido quer o voto das novas gerações.

Nas eleições parlamentares de 2016, o PCFR foi o segundo partido mais votado, depois do Rússia Unida, embora tenha conseguido, segundo os dados oficiais dados a conhecer pelo poder russo, apenas 19,2% do voto.