Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Drama da fome afeta Natal de milhões de brasileiros

Drama da fome afeta Natal de milhões de brasileiros
Tamanho do texto Aa Aa

O Natal costuma ser sinónimo de famílias reunidas em torno de uma mesa farta. No entanto, no Brasil, cada vez menos pessoas podem dar-se a esse luxo, com o aumento da fome e o crescente risco de pobreza para milhões de brasileiros.

Depois de sair do Mapa da Fome Mundial em 2014, dez anos após a criação do documento, o país pode voltar a figurar na lista, de acordo com um alerta recente da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).

Agatha Lorane é apenas mais uma dos 13 milhões de desempregados. Vive há mais de dois meses nas ruas de Copacabana com a sua bebé de nove meses, Pérola, e os primos, sem dinheiro para conseguir comprar comida. "Eu trabalhava num centro comercial até ser demitida", explicou a jovem. Para tentar ganhar dinheiro, Agatha Lorane vende atualmente velas. O futuro da família depende agora de quem quiser acender uma vela nesta quadra natalícia.

Contra este flagelo, a organização não governamental Natal sem Fome mobilizou-se para juntar mais de 500 toneladas de comida até ao fim do mês, numa tentativa de responder à maior preocupação destas pessoas. Para Rodrigo Afonso, diretor da campanha, as prioridades destas comunidades mais desfavorecidas alteraram-se substancialmente nos últimos anos.

"O que as pessoas dizem é que não querem mais cultura ou mais edcação, como queriam há dois ou três anos. As pessoas querem comida, é isso que querem agora", declarou.

Cerca de 22 por cento dos brasileiros vivem hoje abaixo do limiar de pobreza e mais podem integrar novamente este grupo. A fome voltou mesmo a ser uma arma de combate político, com o ex-presidente Lula da Silva a apontar o dedo à administração do atual presidente, Michel Temer, por causa dos cortes nas políticas sociais e da sua linha de austeridade.

Segundo um estudo da Fundação Getúlio Vargas, a diminuição das condições de vida de milhões de brasileiros é mesmo uma realidade a ter em conta, após anos de uma descida acentuada que levou o Brasil a deixar de constar do 'roteiro' da fome mundial:  "Nos últimos dois anos o nível de pobreza subiu para 11,2 por cento da população. Cinco milhões e meio voltaram a ser pobres", concluiu Marcelo Neri, diretor da fundação.