Última hora

Última hora

Sistema de quotas para refugiados atrasa reforma da política de asilo

Sistema de quotas para refugiados atrasa reforma da política de asilo
Tamanho do texto Aa Aa

O sistema de quotas para relocalização de refugiados é um dos pontos mais espinhosos na corrente negociação para reformar a política de asilo na União Europeia.

"É inaceitável que alguns se recusem a aceitar os refugiados"

Dimitris Avramopoulos Comissário europeu para a Migração

Os ministros da Administração Interna debateram o tema, quinta-feira, em Sófia (capital da Bulgária), que é o Estado-membro que preside à União.

"Queremos que todas as questões relativas ao asilo num só pacote político, mas é importante que o processo de negociação se foque em primeiro lugar nos pontos em que é mais fácil chegar a um consenso", disse Thomas de Maiziere, ministro alemão.

"Alguns exemplos são os procedimentos comuns, a definição do direito de reunificação familiar e muitos outros. Mas não podemos perder de vista um ponto importante que é princípio da redistribuição justa de refugiados", acrescentou o governante.

Até agora, a Alemanha tem sido um dos grandes defensores do sistema, criado em 2015, que nunca foi respeitado por três países: Polônia, República Checa e a Hungria, tido sido alvo de um processo no Tribunal de Justiça da União Europeia.

"É inaceitável que alguns se recusem a aceitar os refugiados. Isso é muito claro. Todos temos que partilhar de forma proporcional as responsabilidades e o fardo", disse Dimitris Avramopoulos, comissário europeu para a Migração.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, considera que o sistema de quotas é um factor de divisão entre os países, mas pede que a reforma do sistema de asilo fique concluída até junho.