Última hora

Última hora

Cidade do Cabo: racionamento de água nas escolas já é uma realidade

Em leitura:

Cidade do Cabo: racionamento de água nas escolas já é uma realidade

Cidade do Cabo: racionamento de água nas escolas já é uma realidade
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de decretado o estado de catástrofe natural na África do Sul, as autoridades fazem o que podem para adiar o que, de momento, parece inevitável, ou seja, para que as torneiras fiquem sem água.

As restrições já se fazem sentir nas escolas na Cidade do Cabo, a segunda maior do país e uma das mais afetadas pela seca.

Saras Arjunan/Euronews: “No primeiro andar desta escola há apenas uma torneira a funcionar por casa de banho. No segundo andar, nem mesmo uma."

Por aqui, poupar água mais do que um hábito é uma necessidade. “Como pode ver o solo dos campos está um pouco duro e castanho. Apesar de termos um furo para captação de água só podemos regar duas vezes por semana" refere Stephen Price, diretor da escola secundária Bergvliet.

Na Cidade do Cabo, o consumo de água por pessoa foi limitado a 50 litros por dia.

"Foi um pouco difícil fazer estes ajustes porque somos muitos estudantes nesta escola. Tivemos de encerrar algumas casas de banho, não foi fácil mas depois habituamo-nos" refere uma aluna da escola.

"Há países que têm de lidar com desastres naturais num curto espaço de tempo. Isto é algo que já sabíamos que ia acontecer há cerca de oito anos. É evidente que as pessoas não estão habituadas a isto, às mudanças climáticas devido ao aquecimento global. Penso que teria sido útil ser mais proativo" acrescenta outro aluno.

As autoridades sul-africanas estimam que em junho a água possa faltar nas torneiras se a chuva continuar, apenas, a ameaçar.