Última hora

Última hora

Batalha eleitoral difícil e complexa em Itália

Em leitura:

Batalha eleitoral difícil e complexa em Itália

Manifestante das Femen com a mensagem "Berlusconi estás acabado"
@ Copyright :
REUTERS/Stefano Rellandini
Tamanho do texto Aa Aa

Filas para votar num novo governo, mas o resultado poderá ser um impasse político. A Itália vai a votos. Um terço dos eleitores estariam indecisos à partida - de acordo com as sondagens - e o complexo sistema eleitoral torna difícil a existência de uma maioria absoluta.

A abstenção pode também ser um problema, mas houve quem fizesse questão de marcar presença e despir-se de preconceitos para protestar contra Silvio Berlusconi em Milão.

REUTERS/Stefano Rellandini
Manifestante em topless das Femen foi detida pela políciaREUTERS/Stefano Rellandini

"Estás acabado!", foi a mensagem da manifestante do grupo Femen, que acabou por ser detida pela polícia.

Berlusconi não é elegível mas é líder do partido conservador Forza Itália, que com os aliados de extrema-direita, pode tornar-se no principal bloco político no parlamento.

REUTERS/Stefano Rellandini
Berlusconi, conhecido pelo passado recheado de escândalos sexuais, lá votou apesar do protesto "Topless"REUTERS/Stefano Rellandini

E o candidato que se perfila para assumir uma governação de direita é o atual presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, que votou nos arredores de Roma.

Em Nápoles votou o cabeça de lista do movimento 5 estrelas de Beppe Grilo, que se prepara para ser o partido mais votado. Luigi Di Maio pode muito bem vir a ser primeiro-ministro, mas a capacidade negocial da formação será posta à prova no espetro politico complexo de um pais que tende a virar à direita.

REUTERS/Ciro De Luca
Luigi di Maio espera ser primeiro-ministro italiano, votou em NápolesREUTERS/Ciro De Luca

Quem já sabe o que é ser chefe de governo em Itália é Matteo Renzi. Votou na capital, Roma, que tal como Palermo, sofreu problemas com os boletins de voto, devido às inovações do novo sistema eleitoral.

REUTERS/Alessandro Bianchi
Matteo Renzi, antigo chefe de governo, votou em RomaREUTERS/Alessandro Bianchi

As urnas encerram às 11 da noite. Os resultados apenas deverão ser conhecidos na segunda-feira.