EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Los Angeles acolhe mural "sem censura"

Los Angeles acolhe mural "sem censura"
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A obra foi criada para comemorar o bicentenário da cidade em 1981, mas acabou por ser censurada

PUBLICIDADE

A cidade de Los Angeles recuperou o mural que foi censurado há cerca de quatro décadas.

A obra foi criada pela artista Barbara Carrasco para comemorar o bicentenário da cidade em 1981, mas acabou por não ver a luz do dia. Desde logo, por apresentar a história de um ponto de vista considerado "demasiado mexicano." A decisão, por exemplo, de mostrar o rosto de Biddy Mason, o último escravo de Los Angeles, também, não foi bem recebida na época. A censura falou mais alto e a artista foi convidada a eliminar o conteúdo considerado sensível do mural intitulado "Los Angeles: uma perspetiva mexicana. "

A artista recusou apagar as imagens - 14 no total - que agora podem ser vistas no Museu de História Natural da cidade.

"Quando me pediram para eliminar algumas cenas, pensei que podia fazê-lo, que era o mais fácil, mas disse para mim mesma que era importante lutar contra todo o tipo de censura. E ainda penso assim, especialmente nos dias de hoje dado o atual clima político. Penso que é importante que os artistas se levantem e mostrem o que está a acontecer" refere a artista Barbara Carrasco.

A artista recusou, na altura, maquiar a história de um povo fundado em 1789 por espanhóis, índios e escravos e batizada "Nossa Senhora a Rainha dos Anjos de Porciúncula" em homenagem à Ordem franciscana.

A cidade que foi espanhola até 1821 rende, agora, homenagem à história e à arte com uma exposição que deixou à porta a censura e que pode ser vista até meados de agosto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Corrida de touros recriada em Key West, nos EUA

Abertura da Bienal de Veneza marcada pelas guerras

Israel aprova lei que permite silenciar Al Jazeera