UE, Japão e EUA discutem tarifas sobre importações

UE, Japão e EUA discutem tarifas sobre importações
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Donald Trump diz que os Estados Unidos abdicam de tarifas sobre importações de aço e alumínio se a União Europeia abolir barreiras

PUBLICIDADE

As discussões com vista a uma isenção europeia e do Japão do aumento das tarifas de importação do aço e do alumínio anunciado por Donald Trump são para prosseguir.

Este sábado, o representante do Comércio dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, e o ministro japonês da Economia, Hiroshige Seko, estiveram reunidos, em Bruxelas, com a comissária europeia responsável pela pasta do Comércio para discutir essa matéria.

No final da reunião Cecilia Malmström disse, através das redes sociais, que a discussão foi "franca." Mas ressalvou que não se obteve "clareza imediata sobre o procedimento como a União Europeia e o Japão podem ficar isentos das medidas" e que por isso o caso não está encerrado.

Na quinta-feira, Donald Trump anunciou que vai impor em breve uma nova tarifa global de 25% para a importação de aço e de 10% para o alumínio comprado de vários países, mas concedeu isenção ao Canadá e México. O Presidente dos EUA argumentou que o aço e o alumínio são "vitais" para a "segurança nacional."

Cecilia Malmström já apresentou os traços gerais de um contra-ataque europeu, que pode incidir sobre um conjunto de produtos no valor de 2,8 mil milhões de euros, valor estimado das barreiras norte-americanas.

Este sábado, o Presidente norte-americano disse que renuncia aos impostos sobre as importações de aço e alumínio aplicados à União Europeia se os 28 abdicarem das barreiras aos produtos dos Estados Unidos (EUA).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Trump impõe tarifas anuais de 50 mil milhões à China

Eleições europeias: campanha eleitoral abre oficialmente em Itália com apresentação dos logótipos

Mike Pence: "A maioria dos norte-americanos acredita no nosso papel de líderes do mundo livre"