Última hora

Última hora

Hungria: campanha política em "revolução"

Em leitura:

Hungria: campanha política em "revolução"

Hungria: campanha política em "revolução"
Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de pessoas saíram à rua na Hungria para assinalar mais um aniversário sobre a revolução que começou a 15 de março de 1848. Na altura, as forças húngaras foram derrotadas pelo exército austríaco e russo. Hoje em dia, muitos partidos políticos utilizam a data para tentar chegar mais perto da população. Este ano e com as eleições legislativas à porta ninguém quis ficar de fora.

"Somos um povo sereno e gentil, mas não somos cegos nem ingénuos. Depois das eleições iremos vingar-nos moral, legal e politicamente" afirma Viktor Orbán, primeiro-ministro e candidato do Fidesz.

A política migratória está a dominar a campanha do atual primeiro-ministro e candidato a um terceiro mandato. O Fidesz, o partido Viktor Orbán lidera as intenções de voto, mas de acordo com as sondagens está a perder popularidade. Um espaço que o partido de extrema-direita Jobbik quer conquistar.

"Não estou à procura do que nos divide, mas daquilo que nos une. Não estou à procura de conflito, mas de consenso" refere Gábor Vona, líder do Jobbik

Os socialistas que estiveram no poder durante oito anos - antes do Fidesz - partilhou o espaço com outras formações. O partido satírico do Cão com Duas Caudas (MKKP), também, não faltou.

Dániel Bozsik, Euronews: "Os húngaros festejavam o aniversário da revolução de 1848, em Budapeste, e vários deslocaram-se mesmo da Polónia ou da Transilvânia para ouvir o primeiro-ministro. Já as manifestações convocadas pela oposição foram mais populares nas grandes cidades do país."