EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Inspetores chegam a Douma para investigar alegado ataque químico

Inspetores chegam a Douma para investigar alegado ataque químico
Direitos de autor REUTERS/Omar Sanadiki
Direitos de autor REUTERS/Omar Sanadiki
De  João Paulo Godinho com LUSA / Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O regime sírio e a Rússia continuam a rejeitar a existência de qualquer ataque com armas químicas.

PUBLICIDADE

A televisão e a agência estatais sírias anunciaram hoje que os peritos da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) chegaram a Douma, cidade alvo de um alegado ataque químico das forças do regime de Bashar al-Assad a 7 de abril.

“Peritos da comissão de armas químicas entram em Douma”, anunciou a agência Sana.

Os Estados Unidos e França acusaram a Síria de colocar entraves à investigação dos peritos da OPAQ, cuja chegada a Douma esteve inicialmente prevista para sábado, depois para domingo e, hoje de manhã, adiada para quarta-feira.

Sírios e russos justificaram os adiamentos com “problemas de segurança”.

Na segunda-feira, Washington admitiu que as forças russas, que controlam completamente Douma e toda a região de Ghouta Oriental desde a semana passada, podem ter “visitado e alterado” o local do ataque e Paris admitiu hoje como “muito provável” que “provas e elementos essenciais desapareçam” antes da chegada dos peritos internacionais.

O ataque a Douma, no qual morreram pelo menos 40 pessoas e mais de 500 foram afetadas, esteve na origem dos ataques lançados na madrugada de sábado por aviões de combate dos EUA, França e Reino Unido contra três alvos associados à produção e armazenamento de armas químicas na Síria.

A oposição síria e vários países acusam o regime de Bashar al-Assad da autoria do ataque químico, mas Damasco nega e o seu principal aliado, a Rússia, afirma que foi encenado com a ajuda de serviços especiais estrangeiros.

"Perdemos, basicamente, os últimos vestígios de confiança para os nossos amigos ocidentais, que preferem agir com base numa lógica muito estranha. A prova está na punição. Eles punem primeiro em Douma, na Síria, e depois esperam que os inspetores da Organização para a Proibição de Armas Químicas visitem o local para o inspecionar", afirmou Sergey Lavrov, ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, em entrevista à BBC.

Após este incidente, Douma ficou sob controlo de Damasco. A intervenção ocidental ameaçou uma nova escalada do conflito para a esfera internacional, mas, por agora, pouco mudou no terreno.

A guerra na Síria parece ainda estar longe do fim, já que Bashar al-Assad quer agora recuperar o controlo sob as zonas de Yarmouk, Rastan, Dumayr e Idlib.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU atacada na Síria

Israel ataca unidade de defesa aérea no sul da Síria com mísseis

Embaixador iraniano na Síria promete retaliação após alegado ataque israelita destruir consulado