EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Órgão regulador da comunicação investiga Russia Today

Órgão regulador da comunicação investiga Russia Today
Direitos de autor 
De  João Paulo Godinho
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O canal de televisão russo é suspeito de ter violado as regras britânicas de imparcialidade após o 'caso Skripal'.

PUBLICIDADE

A estação de televisão Russia Today está na mira do Ofcom, o organismo regulador da comunicação no Reino Unido.

Em causa está a alegada falta de imparcialidade do canal de origem russa desde o caso Skripal, em março, que abalou as relações entre os dois países.

De acordo com o Ofcom, foram abertas sete investigações e em causa pode mesmo estar a licença de emissão em solo britânico.

O organismo acredita que a TV Novosti, operadora do canal a nível internacional, é controlada em última instância pelo Kremlin e pelo presidente russo, Vladimir Putin.

As posições do canal já tinham sido criticadas por membros do Parlamento após a divulgação do caso do envenenamento do ex-espião e da filha em Salisbury. Muitos chegaram a defender o fim das emissões da Russia Today, algo que pode ficar agora mais perto de se tornar efetivo.

Desde 2012, a Russia Today protagonizou 15 infrações às regras do Ofcom, um número considerado normal e em linha com muitos outros canais de informação nos últimos anos.

Apesar desta polémica, a audiência da Russia Today na Grã-Bretanha tem uma expressão quase residual, já que, de acordo com o BARB (Broadcasters Audience Research Board), entidade responsável pelas audiências, o canal chega apenas a 1% da população adulta por mês.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Jovem de 13 anos morre após ataque com espada em Londres

Sunak anuncia: voos de deportação do Reino Unido para o Ruanda devem começar dentro de poucos meses

Cozinhou, arrumou e até entregou refeições: príncipe William voltou aos compromissos públicos