EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Moscovo com testemunhas que rejeitam ataque químico em Douma

Moscovo com testemunhas que rejeitam ataque químico em Douma
Direitos de autor 
De  Euronews com REUTERS
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Grupo foi trazido à sede da Organização para a Proibição do Uso de Armas Químicas.

PUBLICIDADE

A Rússia apresentou o que diz serem "testemunhas"  sobre o que "realmente aconteceu" na cidade síria de Douma.

"Nada que tenha a ver com um ataque com agentes neurotóxicos," defende Moscovo, que fala numa encenação levada a cabo para prejudicar o Governo de Bashar al-Assad.

Foi na sede da Organização para a Proibicao de Armas Químicas (OPCW, sigla em inglês), que o embaixador russo, Alexandr Shulgin, falou em "exageros":

"Parece-nos que o sentido comum pede que esperamos até que os peritos da OPAQ resolvam o problema e examinem tudo o que tiverem de examinar com os próprios olhos," disse o embaixador, na sede da OPCW/OPAQ, em Haia, Países Baixos.

"No entanto, Estados Unidos, Reino Unido e França não quiseram esperar. E disseram, mesmo antes dos peritos terem começado com o trabalho, que o presidente al-Assad era o culpado."

No encontro,a sede da OPCW/OPAQ,  as alegadas testemunhas disseram que não houve qualquer ataque químico. 

Os médicos presente no terreno, em Douma, no entanto, disseram que as vítimas apresentavam os sintomas caracteristicos da exposicao a certos agentes neurotoxicos, como gás de cloro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Juntos contra solução militar externa na Síria

Ataques em Douma fazem mais de 40 mortos nas últimas 24 horas

Pelo menos três mortos, entre os quais duas crianças, na explosão de carro armadilhado na Síria