A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Rússia vai encarar novas sanções dos EUA como "Guerra económica"

Rússia vai encarar novas sanções dos EUA como "Guerra económica"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Rússia vai considerar como uma declaração de guerra económica eventuais novas sanções por parte dos Estados Unidos.

Washington anunciou quinta-feira medidas económicas contra Moscovo devido ao caso do envenenamento do ex-espião russo, Sergei Skripal, no Reino Unido.

A Casa Branca deixou no entanto, em aberto, a possibilidade de uma "nova vaga de sanções draconianas" no futuro e é contra esta eventual segunda vaga de sanções que o primeiro-ministro russo, Dimitri Medvedev garante que o Kremlin irá reagir usando todos os meios disponíveis.

O analista político, Dmitry Oreshkin, diz que a possível guerra económica terá um forte impacto na economia russa e acrescenta: "Como dizia Gorbachov, a resposta deverá ser assimétrica, inesperada. Mas como é que a Rússia pode responder desta forma se tem uma economia mais fraca, se tem aliados como a Síria e o Irão, e é cada vez mais notória a tendência de declínio económico!"

Os mercados já começaram a antecipar o efeito das sanções norte-americanas e o rublo está em níveis mínimos dos últimos dois anos em relação ao dólar.

O analista económico Sergei Khestanov considera que a Rússia pouco pode fazer.

"Falando de contra medidas - A Rússia não consegue provocar danos significativos aos países estrangeiros que impõem sanções contra ela. A dependência desses países dos produtos russos não é forte o suficiente para Moscovo ter uma resposta capaz às sanções. Mas até certa medida, a Rússia pode atenuar o impacto das sanções na sua economia."

O ministro russo das Finanças já veio a público desvalorizar o impacto destas sanções norte-americanas e garante que, nos últimos dois anos, a economia do país tornou-se mais resiliente à pressão externa.