Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Governo sírio quer regresso dos refugiados e pede levantamento de sanções

Governo sírio quer regresso dos refugiados e pede levantamento de sanções
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Governo sírio assumiu, como prioridade, ajudar a população a retornar às suas casas em segurança.

O Executivo de Bashar al-Assad assegurou que mais de cinco mil escolas e mais de 250 hospitais foram reativados, no país, criando condições para que cerca de três milhões e meio de deslocados internos pudessem retornar para as suas casas.

Damasco incitou os países ocidentais a levantar as sanções impostas, há sete anos, à Síria de modo a facilitar o processo.

O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Faisal Mekdad, assegurou que o país precisa de ajuda, mas não aceita condições. "Qualquer assistência internacional deve ser prestada ao povo sírio. ... Então, esperamos ajuda, sim, mas não precisamos de pré-condições."

A Rússia, um dos maiores aliados do regime, informou estar a coordenar uma operação para repatriar os refugiados sírios que estão na Jordânia, no Líbano e na Turquia.

As autoridades russas afirmaram que desde um de agosto, mais de cinco mil sírios regressaram já ao país.

A ONU teme que ainda não estejam criadas as condições de segurança adequadas.

"As hostilidades no noroeste da Síria tiveram um custo muito pesado para a população civil. Pelo menos 134 pessoas, incluindo muitas crianças, terão sido mortas no fim de semana nas províncias de Idlib, Hama e Aleppo", informou o porta-voz da ONU, Farhan Haq.

De acordo com as estimativas das Nações Unidas, desde o início do conflito na Síria, há mais de sete anos, mais de cinco milhões de sírios foram obrigados a fugir do país em busca de refúgio.