Última hora

Última hora

Atlantia cai na Bolsa de Milão na sequência da tragédia de Génova

Atlantia cai na Bolsa de Milão na sequência da tragédia de Génova
Tamanho do texto Aa Aa

A italiana Atlantia sofre as consequências da decisão do Governo de revogar as concessões das autoestradas no rescaldo da queda da ponte Morandi, em Génova.

A empresa que gere a concessionária de autoestradas Autostrade per l'Italia, responsável pela manutenção do viaduto, continua a acumular perdas na Bolsa de Milão.

Esta quinta-feira, cada vez mais pressionada pelas críticas, caia mais de 20%.

Através de um comunicado, a Atlantia falou numa decisão "prematura" do Governo, alegando a falta de um "argumentação específica" e que não existem provas acerca das "causas do sucedido."

De acordo com a Atlantia, os custos com manutenções e melhoramentos superaram os mil milhões de euros anuais entre 2012 e 2017 por 3000 quilómetros.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) diz que Itália gasta mais em reparações de estradas do que na construção de novas.

Entre 2008 e 2015 registou-se uma quebra de 58% em gastos com investimento e manutenção, de acordo com a OCDE.

Alguns apresentaram a tragédia como um alerta a Bruxelas em nome de mais margem de manobra para melhorar as infraestruturas obsoletas do país.

A Comissão Europeia lembrou que tem encorajado a coligação no poder em Roma para dar prioridade a este tipo de investimentos. Sublinhou quem aprovou em abril um plano de investimento de mais de 8 mil milhões de euros para as autoestradas italianas, incluindo a região de Génova, ao abrigo das regras de apoio da União Europeia.

O país deverá ainda receber 2,5 mil milhões de euros de fundos europeus até 2020 para investir em redes viárias ou ferroviárias.