Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Aldeia neozelandesa quer banir gatos

Aldeia neozelandesa quer banir gatos
Tamanho do texto Aa Aa

Para proteger a vida selvagem de aves e de outras espécies da região, a aldeia de Omaui, na costa sul da Nova Zelândia, quer proibir os gatos domésticos. Associações e autoridades de Omaui consideram que os gatos estão a dar cabo de várias espécies de aves, insetos e répteis.

De acordo com um plano para o controlo e erradicação das pestes, apresentado pela Environment Southland, as pessoas que têm gatos em Omaui, terão de esterilizar os animais, assim como colocar-lhes um microchip e registá-los junto das autoridades locais.

A proposta declara que quando um gato morrer, o dono não poderá substituí-lo.

Segundo o jornal New Zealand Herald, a proposta conta com o apoio do presidente do Omaui Landcare Charitable Trust, John Collins, que considera que retirar os gatos desta área da ilha do sul vai permitir aos animais nativos prosperarem.

A Nova Zelândia tem um ambicioso plano para livrar-se dos predadores até 2050, com planos para erradicar espécies de gambás, furões e ratos.

Comunidade chocada com a proposta

"Foi um choque para mim", disse Nico Jarvis, residente em Omaui, ao Newshub. Esta mulher sublinha que foram os três gatos que possui que a ajudaram a controlar o "intenso" problema de roedores nesta área: "Não interessa quantos roedores eu consigo apanhar com armadilhas ou matar com veneno. Há sempre mais que vêm do bosque. Se eu não tiver um gato, é quase insalubre eu viver na minha casa".

Outro morador, também citado pelo Newshub, Terry Dean, também se mostrou chocado com a proposta: "Dizem-nos um dia que os nossos gatos, os nosso pequenos tesouros ou vão ser apanhados em armadilhas, ou se sobreviverem, não podem ser substituídos".

A proposta está desde terça-feira disponível para consulta pública. Os moradores têm dois meses para expressarem as suas opiniões.

Nas redes sociais, o debate sobre a proposta também já está aceso.