Última hora

Última hora

ONU afirma que investir no clima é vantajoso

Em leitura:

ONU afirma que investir no clima é vantajoso

ONU afirma que investir no clima é vantajoso
Tamanho do texto Aa Aa

As Nações Unidas alertam que a adoção de medidas audazes, em relação ao clima, pode gerar benefícios económicos na ordem dos 26 mil milhões de dólares, o equivalente a mais de 22 mil milhões de euros, até ao ano de 2030.

Esta é uma das conclusões do estudo da Comissão Mundial sobre a Economia e o Clima da ONU, publicado esta semana.

O documento sublinha que graças aos novos avanços tecnológicos que surgiram nos últimos anos, a adoção de uma economia mais amiga do ambiente pode criar mais de 65 milhões de postos de trabalho de baixa emissão de carbono e evitar cerca de 700.000 mortes relacionadas com a poluição do ar.

"Hoje, a energia renovável é já frequentemente mais barata do que os combustíveis fósseis, apesar dos subsídios contínuos para combustíveis fósseis. Pode ajudar a fornecer energia a mil milhões de pessoas que atualmente não têm eletricidade. Por exemplo, o Bangladesh instalou mais de quatro milhões de sistemas solares domésticos. Isso criou mais de 115 mil empregos e permitiu que os lares rurais poupassem mais de 400 milhões de dólares em combustíveis poluentes", afirmou o secretário-geral da Organização das Nações Unidas.

António Guterres destacou, ainda, que é necessário estabelecer políticas ambientais para evitar as crises resultantes do aquecimento global.

De acordo com o líder da ONU, mais de 130 das empresas mais influentes no mundo comprometeram-se a usar apenas energia renovável e alguns países, dependentes dos combustíveis fósseis, estão a implementar medidas para diversificar as fontes de energia.

Sublinhou, ainda, que por cada dólar investido na recuperação das florestas, o rendimento poderá alcançar os 30 dólares em benefícios económicos.

Na conferência sobre alterações climáticas, que ocorre em Banguecoque, os cientistas acusaram os países desenvolvidos de não estarem a tomar medidas sérias, colocando em risco o acordo de Paris de 2015.