EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Nova cooperação UE/África é positiva para Angola, diz comissário

Nova cooperação UE/África é positiva para Angola, diz comissário
Direitos de autor 
De  Euronews com LUSA
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Em vésperas da visita de António Costa, Carlos Moedas reagiu positivamente ao anúncio do estreitamento entre os dois continentes feito por Jean-Claude Juncker.

PUBLICIDADE

O comissário europeu Carlos Moedas defendeu que a parceria que a União Europeia pretende desenvolver com África pode colocar Portugal numa posição de liderança e representa uma “boa notícia” para a visita do primeiro-ministro português António Costa a Angola.

Costa tem agendada para a próxima semana uma visita de três dias ao país, que deve marcar uma nova etapa no relacionamento entre Portugal e Angola. As relações esfriaram com o "caso Manuel Vicente", mas começaram a melhorar com a transferência do processo para Angola. As relações comerciais são um dos pontos fulcrais da visita, em que se vai discutir também o fim da dupla tributação entre Angola e Portugal, considerado essencial pelos empresários dos dois países

“São boas notícias para o primeiro-ministro e para a sua visita de posicionar Portugal não só na relação bilateral com África, mas também como líder da relação da Europa com África”, sustentou Carlos Moedas, titular da pasta da Inovação e Ciência na Comissão Europeia, em declarações aos jornalistas em Estrasburgo, sede do Parlamento Europeu, em França.

Moedas comentava o anúncio feito pelo presidente da Comissão Europeia, Jean Claude Juncker, no seu discurso sobre “o Estado da União”, no Parlamento Europeu, de avançar uma nova parceria “África-Europa” que “aumente substancialmente” o investimento no continente africano e fomente o emprego e as trocas comerciais. Moedas elogiou a opção da Comissão Europeia de “passar do assistencialismo para uma parceria”, de igual para igual (nas palavras de Juncker), e prometeu “ajudar o mais possível” na área da investigação.

Além de aplaudir esta decisão de Juncker, o comissário português considerou que abre a Portugal a oportunidade de “ser líder nestes projetos”. “Portugal é um dos grandes países que tem relações com África e pode estar no centro deste projeto. Portugal tem muito a trazer para a discussão”, sublinhou.

Carlos Moedas recordou que “a China está a tomar uma posição em África” e os europeus não podem ficar fora dessa corrida: “Nós, europeus, temos que, de certa forma, entrar nessa corrida, temos que nos posicionar. Não contra a China, mas temos de nos posicionar até porque temos uma relação privilegiada com África. Não faz sentido que a China esteja a investir mais em África do que a Europa”, argumentou.

Carlos Moedas elogiou a opção da Comissão Europeia de “passar do assistencialismo para uma parceria”, de igual para igual, e prometeu “ajudar o mais possível” na área da investigação.

O comissário europeu afirmou ainda que vai iniciar projetos no âmbito dos ensaios clínicos com a África do Sul e, em breve, fará uma visita a Cabo Verde também centrada na cooperação na área da inovação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

PM português em Luanda para uma reaproximação definitiva

Turquia corta relações comerciais com Israel até que haja um cessar-fogo em Gaza

Rebeldes Houthi reivindicam ataque a navio no Golfo de Áden