No Ruanda, saram-se as feridas com a ajuda das artes

No Ruanda, saram-se as feridas com a ajuda das artes
De  Claudia Prat
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Neste video 360, ficaremos a saber como um centro de produção artística pode ajudar os mais jovens a encarar o futuro no Ruanda, país africano marcado pelo genocídio de 1994.

PUBLICIDADE

O Ruanda, na região dos Grandes Lagos, tenta sarar as feridas do Genocídio de 1994.

Um processo de reconstrução e uma batalha constante que conta com a ajuda das artes, da música e da dança.

Em Kigali, a capital, foi criado um centro como uma espécie de incubadora para jovens criativos, onde estes podem ir para expressar-se.

O centro foi criado por Ivuka, que queria integrar os jovens num espaço. Um lugar onde todos fossem bem-vindos, independentemente da cor da pele, religião ou classe social.

As pesssoas podem aprender coisas novas e tornar-se assim mais independentes e ajudar as famílias delas.

Na galeria de exposições, o trabalho dos que frequentaram esta academia é de uma criatividade extraordinária.

O Centro de Artes de Ivuka foi a primeira galeria a abrir em Kigali depois do genocídio. A inauguração teve lugar em 2007.

Um centro pensado para a comunidade e que acabou por transformar-se num foco de cultura e de boa energia para a cidade.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Genocídio do Ruanda foi há 25 anos

Alemanha promete milhões em ajuda ao Sudão no aniversário da guerra

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023