Última hora

Última hora

Grupo de intervenção contra o crime organizado brasileiro

Em leitura:

Grupo de intervenção contra o crime organizado brasileiro

Governo brasileiro quer tornar mais eficiente o combate ao crime organizado
@ Copyright :
REUTERS/Ricardo Moraes
Tamanho do texto Aa Aa

Governo de Michel Temer assina decreto para criar um grupo de intervenção contra o crime organizado no país. O objetivo é reduzir a criminalidade e reforçar a segurança pública.

O grupo terá a responsabilidade de analisar e partilhar dados para a produção de relatórios "com vista a subsidiar a elaboração de políticas públicas e a ação governamental para enfrentar organizações criminosas que afrontam o Estado brasileiro e as suas instituições", de acordo com um comunicado de imprensa divulgado pela assessoria da Presidência.

O decreto determina ainda que o novo grupo será coordenado pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência e reunirá representantes dos seguintes órgãos do Governo federal: Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Forças Armadas, Ministério da Economia, Receita Federal, e dos departamentos de Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal.

Por se tratar uma prestação de serviço público relevante, os membros não receberão uma remuneração extra, ainda segundo o comunicado.

Brasil bateu recorde sangrento em 2017

O Brasil registou 63.880 homicídios em 2017, um recorde para o país, segundo um relatório divulgado em agosto deste ano pela organização não-governamental Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

O Brasil bateu em 2017 o recorde de mortes violentas intencionais, como homicídios e latrocínios, da sua história. Foram...

Publiée par Fórum Brasileiro de Segurança Pública sur Jeudi 9 août 2018

Em média, sete pessoas foram mortas no país por hora no ano passado, elevando a taxa de homicídios em 2,9% entre 2016 e 2017.

Em 2016, aliás, o Brasil tinha registado 61.283 mortes violentas intencionais, lê-se na tabela oficial do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

No total do ano passado, o país registou pela primeira vez uma taxa de 30,8 assassínios por cada 100 mil habitantes.

O Rio Grande do Norte assumiu a liderança dos Estados mais violentos, com uma taxa de 68 homicídios violentos por cada 100 mil habitantes, seguido pelo Acre (63,9) e o Ceará (59,1).

As menores taxas de homicídios violentos foram registadas, em 2017, nos estados de Sáo Paulo (10,7), Santa Catarina (16,5) e no Distrito Federal (18,2).

Embora a violência que resultou em morte tenha crescido no Brasil, o estudo indicou que os gastos governamentais com o financiamento da política de segurança pública no país subiram 0,8%, totalizando 84,7 mil milhões de reais (19,2 mil milhões de euros).