Última hora

Última hora

EUA sancionam Arábia Saudita pela morte do jornalista Jamal Khashoggi

Em leitura:

EUA sancionam Arábia Saudita pela morte do jornalista Jamal Khashoggi

EUA sancionam Arábia Saudita pela morte do jornalista Jamal Khashoggi
Tamanho do texto Aa Aa

Os responsáveis pela morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi não vão escapar à justiça. A promessa foi feita esta quarta-feira pelo presidente turco Recep Tayyp Erdogan, numa conferência em Ancara.

Os Estados Unidos também já decidiram revogar ou impedir que venham a ter visto, 21 sauditas envolvidos na morte do colunista.

Um caso que o Presidente Donald Trump considera um desastre.

"Eles nunca deveriam ter pensado nisso. Nunca deveria ter sido feito. Mas uma vez que pensaram nisso, tudo o mais que fizeram foi também mau. O encobrimento foi horrível. A execução foi horrível. Mas nunca deveria ter havido uma execução ou encobrimento, porque nunca deveria ter acontecido ".

Trump, que numa entrevista ao Wall Street Journal, admitiu o envolvimento do príncipe herdeiro saudita na morte de Khashoggi.

Lembrou que é o príncipe Bin Salman quem manda na Arábia Saudita, apesar de este lhe ter garantido que não sabia de nada e que tudo tinha acontecido a um nível mais baixo.

Uma desconfiança que está a afetar as relações entre os dois países, como considera o analista de risco geopolítico Giorgio Cafiero.

"Não tenho a certeza de que vá haver mudanças fundamentais das alianças norte-americanas no Médio Oriente, mas a aliança entre os Estados Unidos e os sauditas está agora tremida. No entanto, não acho que a administração Trump vá tomar quaisquer medidas que mudem de forma significativa a relação entre a Arábia Saudita e os Estados Unidos"

Critico do regime saudita, Jamal Khashoggi, de 59 anos, foi morto a dois de outubro no consulado da Arábia Saudita, em Istambul, quando foi tratar de uns papéis para casar com a namorada turca.