Última hora

Detenção de Ghosn deixa Nissan em maus lençóis

Detenção de Ghosn deixa Nissan em maus lençóis
Tamanho do texto Aa Aa

Depois da prisão do presidente Carlos Ghosn, no Japão, é o próprio grupo Nissan que pode vir a ter problemas com a justiça. Segundo os media japoneses, o tribunal considera que em caso de fraude, a responsabilidade pertence tanto a Ghosn como à empresa. O presidente da Renault e da Nissan foi detido por suspeita de ter escondido do fisco japonês uma grande parte do salário.

Em França, o Conselho de Administração da Renault pediu à Nissan todos os elementos do processo de Ghosn e nomeou já um presidente interino - Thierry Bolloré, o n° 2 do grupo. Pelo menos por enquanto, Carlos Ghosn mantém o posto.

A Nissan pronuncia-se esta quinta-feira sobre se vai, ou não, afastar o franco-brasileiro. A hipótese está a ser colocada também pela Mitsubishi, parte do mesmo império. O ainda patrão da Renault e da Nissan continua detido em Tóquio. Na segunda-feira foi recebido pela polícia à chegada do jato privado. É acusado de não ter declarado ao fisco cerca de metade do que recebeu entre 2011 e 2015 e ainda de ter usado bens da empresa para fins pessoais. A detenção provisória foi alargada em dez dias pela justiça japonesa.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.