Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Presidente ucraniano declara a lei marcial no país

Presidente ucraniano declara a lei marcial no país
Direitos de autor
Reuters
Tamanho do texto Aa Aa

Após o incidente armado entre Ucrânia e Rússia, deste domingo, no mar de Azov, o Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko pediu ao Parlamento ucraniano para reunir-se em sessão extraordinária e os deputados ucranianos aprovaram que a lei marcial seja declarada por 30 dias.

A intenção inicial de Poroshenko era que a lei marcial fosse declarada por um período de 60 dias mas, como isso implicaria o adiamento das eleições ucranianas e o Presidente poderia ser acusado de procurar manter-se no poder, o líder ucraniano avançou com a proposta de 30 dias.

"Como Comandante Supremo das Forças Armadas, farei o meu melhor, tendo tão pouco tempo, e em apenas um mês, o máximo, a fim de melhorar nossa capacidade de repelir possíveis ataques em grande escala pelo país agressor, a Rússia," afirmou Poroshenko.

Os incidentes começaram quando uma pequena frota ucraniana tentou entrar, desde o Mar Negro, no Estreito de Kerch que separa a Crimeia anexada pela Rússia e marca o acesso ao Mar de Azov.

Entretanto, manifestantes ucranianos queimaram uma bandeira russa e lançaram very lights contra o consulado russo na cidade de Kharkiv, no leste do país.

A agência de notícias ucrâniana Unian informou que os manifestantes querem que a Ucrânia corte as relações diplomáticas com a Rússia e nacionalize os negócios russos em solo ucraniano.