Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ucranianos debaixo de tensão

Ucranianos debaixo de tensão
Tamanho do texto Aa Aa

Apesar das tensões ao largo da Crimeia, a capital ucraniana aparenta estar calma.

"Esperamos ver mais NATO aqui, embarcações da NATO aqui no Mar Negro"

Taras Berezovets Analista político, Ucrânia

Aqui, a lei marcial não está em vigor e as pessoas seguem as suas rotinas.

Mas por debaixo das aparências, os ucranianos manifestam receios quanto ao país e ao futuro.

As tensões com a Rússia são apenas o mais recente episódio numa relação longa e difícil.

Pelo menos é o que pensam dois jovens, Liya e o seu namorado Alexandr.

"Quando penso sobre a lei marcial entre a Ucrânia e a Rússia, para mim não está claro. Primeiro, sou a favor da paz e a maior parte das pessoas neste país quer a paz. A situação atual tem um impacto negativo sobre a Rússia e a Ucrânia", diz Liya, 19 anos, estudante.

"Trata-se de um problema entre a Rússia e a Ucrânia. Ambos estragaram tudo. Eu diria às autoridades que precisamos de seguir o nosso caminho. Não controlamos o nosso país, andamos a mando da Europa, da Alemanha, dos Estados Unidos, é a minha opinião", adianta Alexandr, 25 anos, engenheiro técnico.

"O presidente Petro Poroshenko afirma que receia uma invasão russa pelo mar, trata-se de algo realista?", interroga Damon Embling, jornalista da euronews.

"Nunca tive medo disso. Sei que os russos nunca nos atacariam porque, em primeiro lugar, não é benéfico para eles nem para nós" afirma Alexandr.

Para Damon Embling, "a Ucrânia e a Rússia acusam-se mutuamente pelo que aconteceu no mar. Vladimir Putin acusa os marinheiros ucranianos de terem atravessado ilegalmente a fronteira russa e o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, de tentar aumentar a sua popularidade com vista à reeleição em março próximo".

O presidente ucraniano acusa ainda Moscovo de violar a lei internacional e diz que a Rússia irá pagar um preço muito elevado se a Ucrânia for atacada.

Poroshenko rejeitou a acusação russa respondendo que a entrada de embarcações no mar de Azov, partilhado pela Rússia e Ucrânia, constituía uma provocação.

A lei marcial foi decretada em 10 regiões ucranianas.

Kiev decretou ainda a proibição de entrada no país a homens russos com idades compreendidas entre os 16 e 60 anos.

Mas não significa isto que a Ucrânia se está a preparar para a guerra?, interroga Damon.

"Esperamos ver mais NATO aqui, embarcações da NATO aqui no Mar Negro. Ninguém quer guerra com a Rússia, incluindo a NATO. Bem, a Ucrânia também não quer ir para a guerra com a Rússia", afirma Taras Berezovets, analista político e chefe do grupo de reflexão, "Free Crimea".

A mais recente fricção entre a Ucrânia e a Rússia fez soar o alarme a nível global.

As pessoas em Kiev esperam agora a diminuição das tensões.