Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Britânicos já investem milhões para precaver "brexit" sem acordo

Britânicos já investem milhões para precaver "brexit" sem acordo
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Reino Unido vai gastar mais de 100 milhões de libras (110 milhões de euros) em novos contratos com empresas de transporte marítimo por causa de um eventual "brexit" unilateral.

O objetivo é precaver-se de um esperado aumento significativo das ligações com a Europa continental pelo canal da Mancha no caso de um divórcio com a União Europeia sem acordo.

Além de companhias britânicas, os novos contratos estabelecidos por ajuste direto (sem concurso público) pelo governo de Theresa May incluem também empresas de França e da Dinamarca.

Os portos de Poole, Portsmouth, Plymouth, Immingham e FelixStowe estão também a preparar-se para gerir o estimado aumento de circulação marítima e com isso aliviar a aguardada maior pressão sobre Dove.

O governo britânico estima que o canal venha a ser via de transporte para quase 4000 camiões por semana de e para a União Europeia, num processo que se espera também bem mais demorado devido aos agora inexistentes processamentos alfandegários.

O "brexit" está marcado para 29 de março, mas o processo não está ainda fechado e pode até ser completamente revertido pelo Reino Unido sem intervenção de Bruxelas. As proximas semanas serão decisivas para a vida a curto e médio prazo de todos os britânicos, sobretudo para as empresas.

O partido britânico dos Liberais Democratas já veio a público condenar a decisão do governo conservador de Theresa May estar "a gastar dinheiros públicos em contratos de última hora como este" dos barcos.

"Temos de dar às pessoas a última palavra sobre o acordo e a opção de ficarem na UE", lê-se numa recente publicação dos "LibDems" nas redes sociais.

Na página oficial, o partido tem disponível uma recolha de assinaturas para uma proposta de saída do "brexit". Das 200 mil pedidas, a página indicava este sábado pelas 16:35 (hora de Lisboa/Londres) já ter 199.016 assinaturas.

Na mesma proposta, os LibDems acusam o Partilho Trabalhista, que tem liderado a oposição aos conservadores, de estar a apoiar o governo.

"Se este não é o acordeo ideal para o futuro do Reino Unido, então deve poder rejeitá-lo e permanecer na União Europeia", defende o partido liderado por Sir Vincent Cable.