Última hora

Última hora

Arcebispo de Lyon julgado por não denunciar casos de pedofilia

Arcebispo de Lyon julgado por não denunciar casos de pedofilia
Tamanho do texto Aa Aa

Os casos de pedofilia na Igreja Católica em França chegam esta semana aos tribunais.

O cardeal Philippe Barbarin, arcebispo de Lyon, comparece a partir desta segunda-feira no banco dos réus, acusado de esconder os abusos sexuais cometidos por um padre da sua diocese.

Stephanie Morbois, euronews: "É aqui, no Tribunal Correccional de Lyon, que terá início o julgamento do cardeal Barbarin e de outros cinco ex-líderes da diocese, acusados de não denunciarem abusos sexuais cometidos por um padre contra jovens escuteiros, entre 1986 e 1991. Um processo bastante aguardado, que deverá prolongar-se até quarta-feira."

A euronews foi ao encontro de François Devaux, antiga vítima do padre Bernard Preynat, que ajudou a fundar em 2015 a associação "La Parole Libérée" - "a palavra libertada", em português -, responsável pela revelação deste caso.

François Devaux: "O trauma pode não ser definitivo, mas é claro que altera uma existência. É inegável, mesmo para os que tiveram melhor sorte - dos quais penso fazer parte -; a minha vida ficou marcada para sempre e o meu envolvimento hoje é a prova. O cardeal Barbarin é um litigante como qualquer outro e deve ser julgado pelos seus atos. Não há sentimentos, nem cólera, há apenas a necessidade de que, amanhã, outras crianças não revivam o que constatámos, nem o horror que isso suscitou."

Contactados pela euronews, os advogados de Barbarin afirmaram que nenhuma declaração seria feita antes da abertura do processo. No auge do escândalo, que veio a público em 2015, o cardeal chegou a reconhecer os erros e a pedir perdão às vítimas dos abusos.