Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Nicolás Maduro aberto ao diálogo com a oposição

Nicolás Maduro aberto ao diálogo com a oposição
Tamanho do texto Aa Aa

O apoio dos militares é mais importante que nunca para Nicolás Maduro e poderá decidir o braço de ferro com Juan Guaidó. Em visita à base militar do Forte Tiuna, o presidente venezuelano exigiu justiça para os traidores mas garantiu estar aberto ao diálogo com a oposição e acusou os Estados Unidos de estarem por trás da autoproclamação de Guaidó:

"É apenas a frustração da Casa Branca porque eles não conseguem controlar a Venezuela, é muito delicado. O que é que estou a fazer? A exercer a minha liderança; a ser o Comandante-em-chefe constitucional."

Apesar do antagonismo norte-americano e do ultimato europeu, Nicolás Maduro está longe de estar sozinho. Afinal de contas tem um aliado de peso:

"Temos o apoio da Rússia a todos os níveis e recebemo-lo com alegria e gratidão. O que é que pedi ao presidente Putin? Que estivesse em permanente contacto."

As declarações de Maduro foram proferidas a uma agência de notícias russa. Não foi coincidência, o discurso de Moscovo é bastante semelhante ao de Caracas. O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, refere que o objetivo do seu país passa por "criar condições para o diálogo entre o governo (venezuelano) e a oposição" e que falaram sobre isso "com os nossos parceiros venezuelanos, com a República Popular da China, com os países latino-americanos e com os europeus".

E se Maduro procurou apoio em Moscovo, Juan Guaidó fez o mesmo em Washington. Venezuela é cada vez mais o palco por excelência da guerra fria dos novos tempos.