Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Agricultor francês contra Monsanto

Agricultor francês contra Monsanto
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A justiça francesa vai pronunciar-se, no dia 11 de abril, sobre o caso do agricultor Paul François contra a empresa norte-americana de agroquímicos Monsanto.

O lavrador afirma que em 2004 a inalação de vapores de Lasso, um herbicida da Monsanto, o levou ao hospital, onde esteve em estado grave, e que lhe provocou graves problemas neurológicos.

François afirma que "este produto foi proibido no início dos anos 80, no Canadá, porque era perigoso. Então a Monsanto não podia ignorar essa decisão e não podia ignorar que esse produto era perigoso, mas continuaram a comercializá-lo conscientemente."

Esta é a quarta vez que Paul François recorre à justiça para ver reconhecida a responsabilidade da Monsanto.

Em 2012, o tribunal de primeira instância de Lyon condenou o gigante dos agroquímicos a pagar um milhão de euros de indemnização, a sentença foi depois confirmada, pelo Tribunal da Relação, em 2015. Em 2017, o Supremo Tribunal francês anulou as duas decisões por razões processuais.

"As patologias invocadas por Paul François não existem. Não somos nós que o dizemos, são os peritos forenses e isso é facilmente verificável na leitura do relatório dos peritos. Não pode ser atribuída nenhuma falha à Monsanto, seja onde for", afirma o advogado da Monsanto, Jean Daniel Bretzner.

O repórter da euronews, Marc Bouchage, relata: "Através da sua luta, Paul François tornou-se um dos rostos, em França e na Europa, da luta contra a utilização de pesticidas e herbicidas. Mas o agricultor francês não é o único a ter queixas contra a Monsanto. Nos Estados Unidos, mais de 8.000 processos judiciais foram movidos contra o gigante dos agroquímicos."