EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Movimento dos "coletes amarelos" perde força

Movimento dos "coletes amarelos" perde força
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Foram menos os manifestantes nas ruas de França este fim-de-semana. Uma das figuras do movimento criticou o encontro entre alguns "coletes amarelos" e membros do governo de Itália.

PUBLICIDADE

Os coletes amarelos voltaram a encher as ruas de França este sábado, embora o número esteja a descer em relação aos fins de semana anteriores. Neste "ato XIII", a cidade com maior presença de manifestantes foi Toulouse, onde desfilaram 6000 pessoas, mais 2000 que em Paris, mas a capital foi palco dos confrontos mais graves.

Um homem ficou com quatro dedos arrancados pela explosão de uma granada, junto à Assembleia Nacional, onde várias pessoas tentaram forçar a entrada.

Na fronteira franco-italiana de Ventimiglia, um grupo de coletes amarelos tentou bloquear a passagem de carros, em protesto contra o que dizem ser a instrumentalização, depois de membros do governo italiano se terem encontrado com representantes do movimento em França.

"Os governos de França e Itália têm os problemas deles, nós somos dois povos, entre nós não há problema. O governo de Itália está a apoiar um movimento sobre o qual nada sabe", diz Maxime Nicolle, um dos "coletes amarelos" mais presentes na comunicação social, que rejeita, no entanto, o rótulo de líder.

Nicolle criticou o facto do vice-primeiro-ministro Luigi Di Maio se ter encontrado com "coletes amarelos" representantes de uma lista às europeias. Repete que o movimento não tem líder e é apolítico.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alessandra Mussolini foi insultada e agredida em Estrasburgo

Manifestação contra projeto de linha de alta velocidade entre Lyon e Turim

Berlusconi e a Europa: um ano após o desaparecimento de um líder que mudou a UE