EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Chefe do Governo espanhol anuncia eleições para 28 de abril

Chefe do Governo espanhol anuncia eleições para 28 de abril
Direitos de autor 
De  Luis Guita
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez , anunciou a realização de eleições legislativas antecipadas, depois do chumbo do projeto de Orçamento de Estado no Parlamento.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro espanhol, o socialista Pedro Sánchez , anunciou, em Madrid, a realização de eleições legislativas antecipadas a 28 de Abril, depois de o seu primeiro projeto de Orçamento de Estado ter sido chumbado na última quarta-feira pelo Parlamento.

"Tudo isto foi bloqueado, estagnou, não porque não havia uma maioria parlamentar para levar para a frente mas apenas pelo obstrucionismo parlamentar do Partido Popular e do Ciudadanos, que tinham uma maioria na mesa do Congresso," afirmou Sánchez sobre o chumbo do Orçamento de Estado.

Os partidos independentistas catalães, que foram decisivos há oito meses na subida ao poder do secretário-geral do PSOE, votaram na quarta-feira ao lado da oposição de direita no chumbo do Orçamento de Estado. Uma mudança de campo que mereceu um comentário do primeiro-ministro espanhol.

"Nós, dentro da Constituição e legalidade, estamos dispostos a dialogar e encontrar uma solução. Dentro da Constituição tudo, fora da Constituição nada," declarou o chefe de Governo.

Pedro Sánchez é primeiro-ministro desde junho último, depois do PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol), com apenas 84 deputados num total de 350, ter conseguido aprovar uma moção de censura ao executivo anterior, também minoritário, liderado por Mariano Rajoy do PP (Partido Popular).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chega conquista eleitorado jovem: os porquês

À quarta foi de vez: Aguiar Branco eleito presidente da Assembleia da República

AD sem maioria: futuro do Governo português nas mãos do PS e Chega