Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Missa da Glória" de Puccini encanta Londres

"Missa da Glória" de Puccini encanta Londres
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Quando se fala de Puccini pensa-se em ópera mas a primeira grande obra do compositor foi uma obra religiosa, a audaciosa missa da Glória.

A obra foi tocada recentemente no Centro Barbican, na capital britânica, pela orquestra sinfónica de Londres, sob a batuta de Antonio Pappano.

"A missa da Glória não é um trabalho do período de maturidade, o que lhe dá um certo charme. É uma obra do início, mas, inegavelmente, tem a marca de Puccini", sublinhou o maestro britânico Antonio Pappano.

A influência de Verdi

A missa composta em 1880 é a única obra religiosa de Puccini. O compositor italiano decidiu dedicar-se à música profana ao ficar fascinado por uma ópera de Verdi.

"Puccini fazia parte de uma linhagem de organistas e maestros de coro, mas, um dia fez uma viagem para ir ver a ópera Aida de Verdi, o que lhe mudou a vida. Aida era uma obra nova, com uma linguagem musical mais exótica que cativou Puccini", acrescentou Pappano.

Benjamin Bernheim canta Puccini

O tenor francês Benjamin Bernheim conhece bem a única obra religiosa de Puccini.

"É divertido porque foi uma das primeiras obras que cantei, ainda era um principiante, foi a minha primeira experiência como solista diante do público, com uma orquestra. É um regresso às origens e posso ver a diferença vocal de há quinze anos para cá. É outro mundo", afirmou Benjamin Bernheim.

"Há muito alegria nesta obra e cantamo-la, tanto quanto possível, com esse sentimento de admiração. É uma missa de glória e não de morte, não é um requiem. Estamos mesmo diante de uma obra iluminada. A obra termina com uma espécie de sorriso musical. Estamos à espera de algo e depois a obra acaba. É maravilhoso", acrescentou o tenor francês.

"É uma obra operática mas ele tenta ser litúrgico. Claro que, no fundo, ele já é um homem do teatro", sublinhou Pappano.

Para o maestro Antonio Pappano, o final da Missa da Glória é particularmente interessante. "É como algo que flutua e desaparece. É encantador", resumiu Pappano.