EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Papa Francisco lamenta ataques de uma "violência cruel" no Sri Lanka

Papa Francisco lamenta ataques de uma "violência cruel" no Sri Lanka
Direitos de autor Reuters
Direitos de autor Reuters
De  João Paulo Godinho
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As cerimónias pascais no Vaticano ficaram marcadas pela tristeza do Sumo Pontífice com os atentados deste domingo que fizeram mais de 200 mortos.

PUBLICIDADE

O Papa Francisco expressou este domingo a sua “tristeza” perante os ataques mortais no Sri Lanka neste domingo de Páscoa, mostrando-se próximo de “todas as vítimas de tal violência cruel”.

Pelo menos 207 pessoas - uma delas de nacionalidade portuguesa - perderam a vida e 450 ficaram feridas numa série de explosões esta manhã em quatro hotéis, três igrejas e um complexo residencial, ensombrando assim as cerimónias pascais na Praça de São Pedro, no Vaticano.

“Soube, com tristeza, da notícia dos graves atentados, precisamente hoje, dia de Páscoa, que trouxe dor e luto em várias igrejas e outros locais de encontro no Sri Lanka”, disse o Papa perante milhares de pessoas.

“Desejo expressar a minha proximidade afetiva à comunidade cristã, que estava reunida, e a todas as vítimas de tão cruel violência. Confio ao Senhor aqueles que desapareceram tragicamente e rezo pelos feridos e por todos aqueles que sofrem por causa deste evento dramático", acrescentou o pontífice durante a celebração da missa pascal.

O Papa presidiu à celebração da Missa de ressurreição de cristo, mas não fez a homilia. Já na benção Urbi et Orbi, Francisco chamou a atenção para os diversos conflitos no mundo.

Outras fontes • Reuters / Lusa

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Igreja dividida em questões fraturantes no arranque de Sínodo dos Bispos

Itália: comunidade LGBTQIA+ contra posição do Vaticano sobre mudança de sexo e barriga de aluguer

Páscoa: Papa Francisco pediu troca de prisioneiros entre Moscovo e Kiev e cessar-fogo em Gaza