A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Autoridades do Sri Lanka temem aumento do número de vítimas

Autoridades do Sri Lanka temem aumento do número de vítimas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Pelo menos 207 pessoas morreram, incluindo um português, e 450 ficaram feridas nas oito explosões ocorridas este domingo no Sri Lanka, segundo as autoridades locais.

No entanto, é esperado um aumento do número de vítimas ao longo das próximas horas, face aos cerca de 450 feridos.

Ao longo do dia, oito explosões abalaram o país. As mais recentes decorreram em Dehiwala e Dematagoda, perto da capital. Mas, durante a manhã, já outras seis explosões tinham deflagrado quase em simultâneo, em Colombo, a capital, em Negombo, mais a norte, e em Batticaloa, no leste do país.

As autoridades pedem que se aguarde pela conclusão das investigações, tendo inicialmente relacionado a autoria das duas útlimas explosões a dois fugitivos à polícia e as primeiras seis a grupos extremistas. Até ao momento, nenhum grupo reivindicou a autoria das ações, mas13 suspeitos foram já detidos. Foi ainda apreendido um veículo que terá alegadamente sido usado para transportar os suspeitos até à capital Colombo.

Como medidas de segurança, o governo declarou recolher obrigatório com efeito imediato, entre as 18h00 e as 06h00. O estado de alerta no país mantém-se e segundo a BBC terá mesmo sido encontrado já de noite um outro engenho explosivo perto do aeroporto Bandaranaike, entretanto detonado numa explosão controlada.

O acesso às redes sociais foi também vedado temporariamente no Sri Lanka, segundo o governo para evitar a propagação de notícias falsas. Simultaneamente, o Facebook já garantiu estar a trabalhar para eliminar conteúdo sobre os atentados que violem as normas da empresa.

Estima-se que entre as vítimas mortais estejam cerca de 30 pessoas de nacionalidades estrangeiras.

Foi também já confirmada a morte de Rui Lucas, um cidadão português natural de Viseu.

Os alvos dos ataques foram um complexo de habitações, quatro hotéis e três igrejas, onde decorriam as celebrações da missa da Páscoa.

A companhia aérea Sri Lanka Airlines está a pedir a todos os passageiros que compareçam no aeroporto quatro horas antes dos voos.

Apenas quem já tinha bilhete comprado e apresente os documentos de identificação poderá viajar.

Tendo em conta o clima de tensão no Sri Lanka, o executivo português desaconselha viagens para o país.

Por todo o mundo multiplicam-se as reações de pesar e solidariedade. De António Guterres a Donald Trump, passando por Emmanuel Macron ou o Papa Francisco, a comunidade internacional uniu-se na condenação dos atentados no Sri Lanka.

(notícia atualizada às 21h30 de Portugal continental)