EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

UE está pronta fazer "pleno uso" dos instrumentos de defesa comercial contra a China, avisa Von der Leyen a Xi

Ursula von der Leyen, Emmanuel Macron e Xi Jinping, da direita para a esquerda
Ursula von der Leyen, Emmanuel Macron e Xi Jinping, da direita para a esquerda Direitos de autor Christophe Licoppe/ EU/Christophe Licoppe
Direitos de autor Christophe Licoppe/ EU/Christophe Licoppe
De  Mared Gwyn Jones
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A União Europeia está pronta para proteger o bloco das práticas comerciais agressivas da China, avisou Von der Leyen, chefe da Comissão Europeia, após uma reunião tripartida com Macron e Xi.

PUBLICIDADE

É a advertência mais dura de von der Leyen até agora. O seu conselho executivo vai fazer de tudo para tentar impedir que o setor industrial chinês, fortemente subsidiado, e as suas práticas comerciais desleais sufoquem as indústrias europeias.

É também o sinal mais claro até à data de que o bloco se está a preparar para uma potencial guerra comercial com Pequim.

"Para que o comércio seja justo, o acesso aos mercados uns dos outros também tem de ser recíproco", disse von der Leyen aos jornalistas em Paris, depois de se ter encontrado com o Presidente chinês ao lado de Emmanuel Macron.

"Estamos prontos a fazer pleno uso os nossos instrumentos de defesa comercial, se tal for necessário", acrescentou von der Leyen. "A Europa não pode aceitar práticas que distorcem o mercado e que podem levar à desindustrialização da nossa casa", acrescentou von der Leyen.

"A Europa não hesitará em tomar as decisões difíceis necessárias para proteger a sua economia e a sua segurança."

Von der Leyen apontou o dedo à China por aquilo que o seu executivo considera serem subsídios injustos em setores como os carros elétricos e o aço, que ameaçam dizimar a indústria europeia.

O governo central de Pequim está a exercer o seu poder económico e industrial para apoiar os seus setores industriais com subsídios, empréstimos baratos, reduções fiscais e regulamentação preferencial para as empresas nacionais.

Isto fez com que um excesso de produtos chineses baratos inundasse os mercados ocidentais, fazendo soar o alarme em Bruxelas e noutras capitais da UE sobre as práticas de "dumping" comercial da China, em que os produtos são exportados a preços artificialmente baixos.

Bruxelas tem reagido com uma posição cada vez mais assertiva em relação ao comércio chinês e com uma série de inquéritos que poderão em breve conduzir à aplicação de direitos aduaneiros punitivos sobre as importações chinesas.

Em setembro do ano passado, Bruxelas lançou um inquérito anti-subvenções aos veículos eléctricos de baixo custo provenientes da China, considerado um passo em frente nas tentativas do bloco para fazer frente à potência mundial. Desde então, a UE iniciou investigações semelhantes aos produtores chineses de turbinas eólicas e painéis solares, suspeitos de beneficiarem ilegalmente de generosos subsídios do estado.

Pequim reagiu com uma investigação altamente simbólica, mas economicamente pouco substancial, sobre as importações de brandy da UE. Pensa-se que esta medida foi dirigida a França, cujo presidente pressionou Bruxelas a lançar a primeira investigação sobre as exportações chinesas de carros elétricos.

No final de abril, o bloco tomou uma medida inédita para punir Pequim por impedir as empresas europeias de ganharem contratos públicos na China, com uma investigação centrada nos dispositivos médicos.

"A China continua a apoiar consideravelmente o seu setor industrial e isso, combinado com uma procura interna que não está a aumentar, o mundo não consegue absorver o excedente de produção da China", disse von der Leyen na segunda-feira.

Outra área de preocupação para o bloco é a grande dependência na China para as chamadas matérias-primas críticas, ou seja, os componentes essenciais necessários para a produção de tecnologias críticas, como os painéis solares e os semicondutores.

Von der Leyen assegurou que Bruxelas está a "desarriscar" as cadeias de abastecimento da UE através da celebração de acordos com uma série de países parceiros que dispõem de recursos naturais em matérias-primas críticas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente chinês visita França, Sérvia e Hungria. Quais são os riscos económicos e estratégicos?

UE lança inquérito sobre aquisição de dispositivos médicos produzidos na China

Antigo chefe dos serviços secretos holandeses deverá ser o novo primeiro-ministro dos Países Baixos