Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Polónia acolhe balanço da UE

Polónia acolhe balanço da UE
Direitos de autor
Reuters / AGENCJA GAZETA
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Um a um foram chegando os líderes para compor uma fotografia de uma família recente. Ou melhor, a família da União Europeia já existia, mas estes membros entraram mais tarde.

A maior parte, como o país anfitrião deste encontro - a Polónia -, aderiu em 2004, juntamente com a Hungria e a República Checa, por exemplo (os restantes são Chipre, Estónia, Letónia, Lituânia, Malta, Eslováquia e Eslovénia).

São, portanto, quinze anos de caminho, numa adolescência que tem tido fases mais ou menos problemáticas.

Polícia polaca desmantela protesto da extrema-direita contra a UE

"Pertencer à União Europeia mudou muitos aspetos das nossas vidas. Tornou-se num desafio, mas também nos trouxe muitas vantagens. A abertura das fronteiras deu novas oportunidades aos polacos. São várias as empresas polacas com histórias de sucesso. E a Polónia mudou muito graças aos fundos europeus", declarou o presidente polaco, Andrzej Duda.

A Bulgária e a Roménia só vieram em 2007; a Croácia chegou em 2013. Agora o governo polaco propõe falar a uma só voz nas próximas cimeiras europeias, exigindo, por exemplo, o restabelecimento do espaço Schengen e o desenvolvimento do mercado interno.

Curiosamente no mesmo dia, o vice-presidente da Comissão Europeia, Jyrki Katainen, declarou que Varsóvia tem de deixar de olhar para Bruxelas como uma máquina de dinheiro e passar a fazer contributos financeiros substanciais.