A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Rússia mantém voos com SSJ-100

Rússia mantém voos com SSJ-100
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em Murmansk, no extremo norte da Rússia, o destino do avião que acabou por incendiar-se em Moscovo, erguem-se memoriais às quatro dezenas de mortos de um acidente ainda por explicar.

Um dos sobreviventes, o comandante do aparelho, garante que a causa das chamas é só uma: os depósitos estavam cheios e o choque contra a pista de aterragem foi demasiado intenso. Uma opinião partilhada por alguns especialistas, embora haja várias outras questões por responder.

"O avião abordou a pista com uma velocidade demasiado elevada e transportava muito combustível. O impacto foi muito violento. Os depósitos de combustível foram atingidos. Temos agora de tentar perceber como é que um avião tão pesado se estava a deslocar tão rapidamente e porque é que o impacto foi tão duro", afirma Alexey Samoletov, perito em aeronáutica.

Memorial às vítimas em Murmansk

As caixas negras já foram encontradas. Até que ponto a tempestade registada sobre a capital russa obrigou à aterragem de emergência no aeroporto de Sheremetyevo é outra das interrogações.

Muitas dúvidas surgem também sobre o aparelho em si, um Soukhoi Superjet 100, de fabrico russo, cuja fiabilidade já foi questionada algumas vezes. Uma companhia regional russa, a Yamal Airlines, cancelou mesmo a compra de 10 aviões.

Mesmo assim, Moscovo considera que não há motivos para suspender os voos com este modelo.