Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Breves de Bruxelas": Cimeira, C02, parentalidade e mercado único

"Breves de Bruxelas": Cimeira, C02, parentalidade e mercado único
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Portugal vai realçar o objetivo de completar a união económica e monetária na Agenda Estratégica da União Europeia 2019-2024, que vai ser debatida na cimeira informal da União Europeia, quinta-feira, em Sibiu (Roménia).

Outras prioridades para o governo de Lisboa são a aposta na aprendizagem ao longo da vida, a promoção de um "ecossistema vibrante para o empreendedorismo" e a proteção dos cidadãos e das liberdades.

Este documento de trabalho será depois revisto e aprovado, formalmente, na cimeira de junho.

A informalidade desta reunião, sem a presença da primeira-ministra britânica, Theresa May, permitirá, também, começar a discutir nomes para os mais altos cargos das instituições da União.

Este é o tema de abertura do programa "Breves de Bruxelas", que passa em revista a atualidade europeia diária. Em destaque estão, também, as seguintes notícias:

  • As emissões de dióxido de carbono diminuíram de forma significativa no ano passado na União Europeia. De acordo com o Eurostat, a queda foi de 2,5% em relação a 2017. As maiores reduções nas emissões de CO2 foram em Portugal, Bulgária, Irlanda e Alemanha e os maiores aumentos na Letónia e Malta.
  • O Tribunal de Justiça da União Europeia reforçou os direitos parentais, especialmente das mulheres. Os juízes determinaram que os pagamentos compensatórios aos empregados em licença parental que estão a tempo parcial devem ser calculados com base no salário a tempo completo.
  • Todos os Estados-membros da União Europeu beneficiaram, economicamente, do mercado único, mas o Luxemburgo e a Irlanda foram quem mais saiu a ganhar. De acordo com um estudo realizado pela Fundação Bertelsmann, cada luxemburguês ficou em média 2900 euros mais rico, ao passo que a média dos europeus enriqueceu 840 euros.