A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Mundo da internet mobiliza-se na Roménia para as Europeias

Mundo da internet mobiliza-se na Roménia para as Europeias
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Bloggers, influenciadores do mundo da internet e estudantes estão em intensa campanha para as eleições europeias, na Roménia. Tentam as melhores técnicas para alcançar o maior número possível de seguidores e apoiantes.

Mikey Hash, é uma estrela do YouTube com milhões de subscritores e tenta facilitar a comunicação entre os políticos e os cidadãos, explicando o papel de cada órgão europeu. E diz ter identificado alguns problemas: "os cidadãos veem a Europa através dos políticos locais e isso pode representar um problema, porque os cidadãos da Roménia podem achar que estão de acordo com a Europa, mas não com os políticos locais. Então, seria melhor separar os dois. Quando estamos unidos somos mais fortes e todos os países da UE estão a prosperar. É um fato à vista de todos”.

A internet junta-se à abordagem no terreno. Os estudantes do Fórum da Juventude da Roménia recorrem a panfletos, ao diálogo, a conferências e sessões de "teambuilding" para divulgar as eleições europeias.

A cimeira informal dos líderes da UE em Sibiu, há poucos dias, ajudou a aumentar a simpatia dos romenos em relação a este processo eleitoral, apesar do sentimento no país ser um dos mais favoráveis em relação ao projeto europeu.

"No meio do processo Brexit e com todas estas tendências políticas eurocéticas em ascensão, é importante que a adesão às eleições de 26 de maio seja a mais elevada possível, para que todos os cidadãos se sintam representados no próximo Parlamento Europeu. Desta vez, a Roménia tem 32 lugares para preencher e, em 2014, a participação aqui foi de, aproximadamente, 32%", conclui a jornalista da euronews, Mari Jeanne Ion.