A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Cidadãos incentivados pela União Europeia a produzirem energia

Cidadãos incentivados pela União Europeia a produzirem energia
Direitos de autor
REUTERS/Valerie Volcovici/File Photo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O município rural belga de Oud-Heverlee sofre amiúde com cortes de energia, mas a vida está a mudar para alguns habitantes que participam num projeto-piloto para criar uma comunidade de energia.

Além de melhor abastecimento, querem usar menos energia produzida com combustíveis fosseis, que contribuem para as alterações climáticas.

Leen Peeters está a testar em sua casa várias tecnologias para produzir, armazenar e partilhar energia de fontes renováveis.

"Máquinas de lavar roupa e de lavar louça têm baixo consumo energético e não devemos preocuparmo-nos muito com isso. Devemos usar a energia renovável para sistemas de cargas maiores tais como aquecimento central, abastecimento de carros elétricos, aquecimento das piscinas, isso sim, muito importante", explicou, à euronews, a engenheira e empreendedora que criou o centro de estudos Th!nk E.

REUTERS/Wolfgang Rattay

Várias soluções tecnológicas

As casas estão equipadas com painéis solares, células de combustível, baterias e outros sistemas, combinados com o tradicional gás e eletricidade da rede. O objetivo é reduzir o consumo em 25% para o aquecimento e em 60% para o restante uso da eletricidade.

Além de consumir e armazenar excedente, o objetivo passa, também, por vender energia à rede nacional, atualmente controlada, em exclusivo, por empresas licenciadas.

A conselheira jurídica Hilde Derde está a estudar as implicações legais: "Nós seremos produtores, distribuidores, faremos intercâmbios. Temos de ver como fazê-lo sem violar as leis, como por exemplo a de que se deve pagar uma taxa para se poder colocar energia na rede para depois ser consumida por outras pessoas".

A comunidade integra o consórcio MUSE GRIDS, financiado em 7,4 milhões de euros eplo programa Horizonte 2020 da União Europeia e por fontes privadas.

Os testes serão realizados até 2022, incluindo noutros países: Itália, Espanha, Israel e Índia.

Propulsor da transição energética

O potencial em termos de investigação e de parcerias com governos, indústria e investidores esteve em debate numa conferência, a semana passada, em Bruxelas.

O pacote Energia Limpa para Todos os Europeus, da Comissão Europeia, deu base legal às comunidades energéticas, no final de 2018, e tem de ser adotado pelos 28 países até meados de 2021.

"Esperamos que este conceito também seja adotado pelos Estados-membros que até agora não têm uma forte tradição ou menso nenhuma experiência neste domínio. Entre os muitos benefícios que as comunidades de energia podem oferecer está o aumento do interesse pública pelas energias renováveis e a captação de capital privado para investir na transição energética", disse Jan Steinkohl, assessor para política de energia removável na Direção-Geral de Energia da Comissão Europeia.

Várias organizações ambientalistas europeias encomendaram um estudo a uma consultora, que prevê um futuro brilhante para este conceito.

Segundo a CE Delft, metade dos 500 milhões de cidadãos comunitários poderão vir a produzir a sua própria eletricidade renovável até 2050, o que representaria 45% das necessidades na União.