Última hora

Governos de França e Itália tomam posição sobre fusão Renault-Fiat

Governos de França e Itália tomam posição sobre fusão Renault-Fiat
Tamanho do texto Aa Aa

O governo francês abordou esta terça-feira a possível fusão entre a Renault e a Fiat-Chrysler, deixando clara a exigência da proteção dos empregos e das fábricas da empresa em França.

Segundo o ministro das Finanças Bruno Le Maire, a mensagem foi já transmitida à administração da empresa, caso queira o apoio do Executivo para levar por diante esta operação, o que resultaria no terceiro maior grupo automóvel mundial, apenas atrás da Volkswagen e da Toyota.

"O primeiro ponto é: empregos e instalações industriais. Disse ao presidente da Renault, Jean-Dominique Senard, muito claramente que era a primeira das garantias que eu queria dele na abertura dessas negociações com a Fiat", explicou.

O vice-primeiro-ministro de Itália, Matteo Salvini, avisou já que, se for necessário, o governo deve estar preparado para assumir uma posição num conglomerado Fiat Chrysler-Renault. Em causa está a importância do setor automóvel para a economia italiana.

"Se a Fiat crescer, é uma boa notícia para a Itália e para os italianos, desde que a operação seja brilhante e que, no futuro, proteja todos os empregos neste país, criando e desenvolvendo um gigante europeu", disse o controverso Ministro italiano do Interior e número dois do governo transalpino.

No entanto, o sindicato da Renault mostra-se cético sobre a operação. Para Fabien Gache, líder da estrutura sindical, a potencial fusão pode significar um risco para os funcionários e acrescenta que a prioridade dos acionistas é "enriquecer aqueles que já são ricos".

"Os acionistas, aqueles que têm a maioria num negócio, e que não importa se são franceses, japoneses ou italiano - em particular a família Agnelli - têm uma obsessão: enriquecer aqueles que já são ricos", frisou.

O plano, que pode criar o terceiro maior grupo automóvel mundial, levanta questões difíceis sobre como os japoneses da Nissan, que são parceiros da Renault à semelhança da Mitsubishi, se encaixaria numa aliança radicalmente diferente.

O presidente da Renault, Jean-Dominique Senard, chegou entretanto ao Japão para discutir a proposta e tentar acalmar os receios do parceiro nipónico.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.