Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

China defende repressão ocorrida em Tiananmen

China defende repressão ocorrida em Tiananmen
Direitos de autor
REUTERS/Ed Nachtrieb/File Photo
Tamanho do texto Aa Aa

Trinta anos depois do massacre que aconteceu em Tiananmen, e numa das poucas vezes que a China falou sobre a tragédia, o ministro da Defesa do país defendeu a repressão aos protestos de quatro de junho de 1989:

"Houve uma conclusão para esse incidente. Tratou-se de turbulência política que o governo central precisou acalmar, o governo foi decisivo em parar a turbulência, essa foi a política correta", afirmou Wei Fenghe acrescentando que os últimos "30 anos provaram que a China viveu grandes mudanças" e que foi graças à ação do executivo que o país conseguiu "estabilidade e desenvolvimento".

Posição que muitos não partilham. Jeff Widener era, na altura, fotógrafo da Associated Press e acompanhou o protesto pró-democracia que terá terminado no massacre de mais de um milhar de pessoas, maioritariamente jovens estudantes.

"Está na altura da China seguir em frente e limitar-se a esclarecer o que aconteceu, principalmente aos familiares das vítimas para que eles possam também fazê-lo. Penso que é a coisa certa a fazer", afirmou Widener.

Trinta anos passados sobre a tragédia não haverá, e sem surpresa, eventos públicos de homenagem, não se lembrarão os que morreram na praça da capital chinesa.