Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A maior operação marítima de sempre

A maior operação marítima de sempre
Tamanho do texto Aa Aa

É um dos momentos decisivos da História mundial. O desembarque das tropas aliadas na Normandia foi a maior operação militar marítima de sempre, sem precedentes quer no tempo que levou a ganhar forma, quer na escala de execução.

A armada de navios de guerra e outras embarcações foi constituída ao longo da costa sul de Inglaterra. O plano consistiu em criar manobras de diversão para levar os alemães a crer que os pontos de chegada eram outros.

"A planificação do Dia D foi gigantesca. Foram criados subterfúgios para baralhar os alemães sobre a altura e o local em que ia acontecer. Foi até um ponto que criaram uma espécie de exército fantasma para eles acharem que íamos chegar à zona de Calais, que era o percurso mais rápido no Canal da Mancha, e mobilizassem os equipamentos e as tropas para lá. E depois nós desembarcamos noutro sítio", afirma Paul Reed, especialista em História Militar.

Afundamento do USS Tide na Praia de Utah, Normandia REUTERS/File Photo

Os artifícios eram cruciais. Mas depois era necessário passar pela complexa linha de defesa que os nazis tinham erguido ao longo da costa francesa.

"Foi a maior operação anfíbia da História. No dia 6 de junho de 1944, desembarcaram na Normandia 156 mil homens, com milhares de navios. Tinham pela frente um desafio incalculável. Nada garantia que o Dia D ia ter sucesso. Era preciso bater a muralha atlântica, as tropas dissimuladas, o arame farpado, as minas, as caixas de betão... Mas tinham passado anos a planeá-lo", diz Reed.

Uma das grandes incógnitas era obviamente a reação dos soldados após o desembarque: para dezenas de milhares de jovens, este era o seu primeiro combate.

Retirada de feridos americanos REUTERS/File Photo

Paul Reed explica que "a grande maioria dos homens nunca tinha estado em combate. Ou então, tinha uma experiência muito limitada. Eram recrutas, não eram profissionais. Eram jovens que estavam no auge das suas capacidades físicas e mentais. Com isso isso e o treino intenso que tiveram, acabaram por levar a melhor no Dia D".

E isto foi apenas o primeiro passo. Os confrontos pelo controlo da Normandia duraram vários meses.