Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Junta militar do Sudão cancela acordos com oposição

Junta militar do Sudão cancela acordos com oposição
Direitos de autor
REUTERS/Stringer
Tamanho do texto Aa Aa

A junta militar, que atualmente governa o Sudão, anunciou, esta terça-feira, que vai cancelar todos os acordos com os líderes da oposição e que vai convocar novas eleições no prazo máximo de nove meses.

O anúncio ocorreu após um dos piores dias de violência depois do afastamento do presidente Omar al-Bashir, em abril.

Pelo menos 35 pessoas morreram, de acordo com o último balanço do Conselho dos Médicos do Sudão, após os militares terem invadido e atacado um acampamento de manifestantes, montado em frente ao quartel-general do exército de Cartum.

Segundo a organização, pelo menos 116 pessoas ficaram feridas.

A Associação de Profissionais Sudaneses, que lidera os protestos, acusou a junta militar de perpetrar "um massacre".

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou o uso excessivo da força pelos militares sudaneses contra os civis.

Num comunicado, lido na televisão nacional, a junta militar expressou a sua "tristeza pela maneira como os eventos escalaram", afirmando que a operação tinha como alvo "arruaceiros e pequenos criminosos".

Os militares anunciaram, ainda, que será nomeado, de imediato, um Executivo para governar o país até às eleições legislativas, que serão organizadas sob supervisão internacional.