Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Alemanha tenta acalmar a revolta do Irão

Alemanha tenta acalmar a revolta do Irão
Tamanho do texto Aa Aa

O Irão manifestou à Alemanha que se mantém disponível para continuar a respeitar o pacto nuclear de 2015, ainda com assinatura de Barack Obama, mas exige o fim do que apelida de "guerra comercial" imposta agora ao país pelos Estados Unidos, de Donald Trump, na forma de sanções e ameaças às empresas que não respeitem os embargos exigidos por Washington.

A pressão americana levou Teerão a admitir recentemente reverter parte do acordo nuclear, o que provocou "preocupação" na Agência Internacional da Energia Atómica, que apela ao "diálogo" para reduzir o escalar da tensão na região.

O momento é delicado e, por isso, a Alemanha enviou ao Irão o ministro dos Negócios Estrangeiros para tentar assegurar ao governo persa o compromisso europeu na defesa do acordo.

Ao lado de Heiko Maas, o chefe da diplomacia iraniana salientou o "objetivo comum" dos dois países: "Preservar o Plano de Ação Integral Conjunto e evitar a tensão e um eventual conflito no Médio Oriente."

Mohammad Javad Zarif espera garantir, "ao mesmo tempo, que o povo iraniano possa receber os benefícios previstos no acordo nuclear" de 2015 e que permitiram abrir a economia persa, nomeadamente, aos investimentos europeus.

Heiko Maas considera a situação atual no Médio Oriente "altamente explosiva" e sublinhou o compromisso alemão no pacto nuclear, conhecido internacionalmente pela sigla JCPOA.

"Pretendemos aplicar também a nossa obrigação contida no acordo. Não há milagres, mas faremos tudo o que estiver nas nossas mãos para evitarmos o colapso do pacto. Estamos, por exemplo, a trabalhar arduamente na operacionalização do instrumento de pagamento Instex", afirmou o ministro germânico.

Maas referia-se ao "instrumento de apoio às trocas comerciais" desenvolvido por Alemanha, França e Reino Unido para permitir às empresas europeias continuarem a negociar com o Irão apesar das sanções e das ameaças da administração Trump contra quem negociar com o governo iraniano.