Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Grécia satisfeita com apoio da UE contra a Turquia

Grécia satisfeita com apoio da UE contra a Turquia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Grécia aplaude a decisão da União Europeia que admite tomar medidas contra a Turquia, se Ancara insistir em fazer prospeção de gás na Zona Económica Exclusiva de Chipre.

O assunto vai estar na agenda do próximo Conselho Europeu, depois de forte pressão dos executivos grego e cipriota.

Em entrevista à Euronews, o ministro grego dos Negócios Estrangeiros defende que "da mesma forma que as fronteiras de cada estado-membro são fronteiras da União Europeia, a Zona Económica Exclusiva de Chipre é uma também uma zona exclusiva da nossa União. Pedimos medidas concretas para travar esta atividade ilegal da Turquia."

Gregos e cipriotas juntaram-se na batalha diplomática pela defesa da Zona Económica Exclusiva no Mar Egeu e consideram a resposta de Bruxelas como uma vitória diplomática. ''Pela primeira vez teremos medidas concretas para tomar se a Turquia prosseguir estas provocações ilegais, por isso, tenho de dizer que considero que é uma mensagem muito boa para a Turquia," diz Georgios Katrougalos, acrescentando que "a Turquia tem de perceber que não ganha ao continuar com esta provocação. Perde capital diplomático muito importante e torna-se cada vez mais isolada na comunidade europeia. Espero que eles compreendam a mensagem e se controlem."

Na reacção, a Turquia rejeita as acusações. Numa declaração oficial, o ministro turco dos Negócios Estrangeiros descreve as reividicações da Grécia e de Chipre como extremistas.

Chipre e Turquia têm estado cada vez mais protetores das zonas onde se acredita existirem reservas de gás natural. Na semana passada, o presidente cipriota emitiu mandados de captura para a tripulação de um navio que estava a fazer prospeções acusando-os de violar a soberania territorial.