Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

CE empenhada em resolver o problema dos migrantes a bordo do Sea Watch 3

CE empenhada em resolver o problema dos migrantes a bordo do Sea Watch 3
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Comissão Europeia reforçou o empenho na resolução do diferendo que opõe Itália a outros países membros da União Europeia. Em causa estão os 42 migrantes a bordo da embarcação da ONG alemã Sea Watch resgatados no Mediterrâneo há duas semanas.

A jornalista da euronews, Elena Cavallone, colocou a questão à porta-voz do executivo europeu que leu uma declaração do comissário europeu para as migrações, Dimitris Avramopoulos.

"A Comissão está envolvida de perto na coordenação entre os estados-membros com vista a encontrar uma solução para os migrantes a bordo do Sea Watch 3, uma vez em terra. Alguns estados-membros já manifestaram vontade em participar nos esforços de solidariedade. Uma solução só é possível após o desembarque. É por isso que espero que a Itália contribua para uma solução para aqueles que se encontram a bordo. Ao mesmo tempo apelo à solidariedade de outros estados-membros", afirmou a porta-voz da Comissão, Natasha Bertaud.

Para o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados, Vincent Cochetel, a prioridade é desembarcar os migrantes não apenas em Itália mas em qualquer país de ambos os lados do Mediterrâneo.

"Para o tribunal dos Direitos Humanos tem que haver um risco iminente à vida dos migrantes e o tribunal considera que esse risco não existe. Não estou a bordo do Sea Watch e não sei se as pessoas estão em risco de vida ou não. Para mim, o problema destas pessoas, tal como de outros resgatados no Mediterrâneo, é que devem ser desembarcados de forma planeada e rápida, não apenas em Itália mas em qualquer estado costeiro dos dois lados do Mediterrâneo" adiantou o enviado especial.

O ministro italiano do Interior recusa-se a autorizar o desembarque dos migrantes em território italiano a não ser que os migrantes sejam transferidos de imediato para a Alemanha ou Holanda.