Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Ativistas de resgate no mar pedem ajuda

Ativistas de resgate no mar pedem ajuda
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Do mar Mediterrâneo, onde resgatava migrantes, para o rio Reno, para chamar a atenção dos políticos reunidos na cidade francesa de Estrasburgo. A organização não-governamental (ONG) espanhola ProActiva Open Arms quer realçar que a sua missão é salvar vidas e que quem o faz não deve ser criminalizado por exercer um dever humanitário.

A hostilidade do governo italiano e inação de outros países europeus tornam as missões cada vez mais arriscadas.

"No que toca a questões jurídicas, de novas leis na Europa, a única coisa que lhes importa é travar as organizações, ameaçando-as com violações da lei que prevêem penas de prisão, com multas enormes que nem podemos imaginar. Sim, é algo arriscado", disse, à euronews, Anabel Montes, assistente de resgate do ProActiva Open Arms.

Os ativistas foram levar esta mensagem ao Parlamento Europeu, em nome de pessoas como o cidadão português, Miguel Duarte, que está atualmente detido em Itália, acusado auxilio à imigração ilegal por ter feito missões com uma ONG alemã, podendo ser condenado a 20 anos de prisão.

Algo inaceitável para Miguel Urbán, eurodeputado espanhol da esquerda radical: "A questão é trazer o debate sobre a criminalização das ONGs para dentro do Parlamento. É preciso dizer claramente que salvar vidas não é um crime".

A recente libertação de Carola Rackete, capitã do barco SeaWatch3, foi bem recebida pelos ativistas. O governo populista italiano sentiu-se desautorizado pelo juiz e admite endurecer ainda mais a legislação.

Marco Zanni, eurodeputados eleito pela Liga, um dos partidos no poder em Itália, é agora líder da bancada de extrema-direita no Parlamento Europeu e considera aquela decisão inaceitável: "Se for necessário, mudaremos as regras para garantir que a proteção de nossa fronteira não é delegada em instituições privadas, mas garantida pela autoridade pública, pela Itália. E, em determinado nível, pela União Europeia. Essa é nossa abordagem".

O socialista italiano David-Maria Sassoli é o novo presidente do Parlamento Europeu e disse que deveria haver um diálogo entre essas organizações e as instituições da União Europeia.