Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Último dia da Cimeira dos Balcãs Ocidentais

Último dia da Cimeira dos Balcãs Ocidentais
Direitos de autor
Agencja Gazeta/Lukasz Cynalewski via REUTERS
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Chegam carregados de esperança de pertencer ao bloco europeu. Recebidos pelo primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, os representantes dos balcãs marcam presença em mais uma cimeira que promove a integração na União Europeia.

Presentes estiveram os primeiros-ministros do Kosovo, Sérvia, Bósnia e Herzegovina, Albânia, Macedônia do Norte e de Montenegro.

O objetivo da cimeira é promover a relação entre os governos do bloco europeu e os governos dos balcãs sobre a possibilidade de adesão à UE.

O encontro visa dar continuidade ao chamado "processo de Berlim", uma iniciativa criada pela Alemanha em 2014 para promover a integração europeia dos países do Sudeste da Europa.

“O processo de Berlim nasceu porque era necessário impulsionar o processo de adesão dos Balcãs Ocidentais à UE, pelo que temos de trabalhar na modernização das estruturas estatais e ajudar estes países a resolver gradualmente os seus problemas estruturais”, explicou Czaputowicz.

Reuters
Primeiro-Ministro da Bósnia-Herzegovina, Denis Zvizdic e o homólogo polaco Mateusz MorawieckiReuters

O encontro em Poznan reúne ministros dos Negócios Estrangeiros, da Administração Interna e da Economia e contará com a presença, na sexta-feira, da chanceler alemã, Angela Merkel, da primeira-ministra britânica, Theresa May, e do Presidente polaco, Andrzej Duda.

A perspetiva europeia dos países que integram os Balcãs Ocidentais foi consolidada na Cimeira de Salónica de 2003, quando foi acordada a integração futura na União Europeia dos Estados balcânicos.

Desde então, a Albânia, a Bósnia e a Herzegovina, o Kosovo, a Macedónia, o Montenegro e a Sérvia tentam ser os próximos Estados a entrar na União Europeia, uma situação que, segundo o chefe da diplomacia da Polónia, irá aumentar a estabilidade e desenvolvimento da região.