Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Adesão à União Europeia vista pelo sérvios

Adesão à União Europeia vista pelo sérvios
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os balcãs ocidentais estão às portas da União Europeia e Bruxelas gosta da ideia de abrir os portões a mais países.

Esta quinta-feira realiza-se, na Polónia, a Cimeira dos Balcãs Ocidentais, onde vários chefes de estado europeus e chefes de governos dos balcãs se reunem para analisar as relações da União Europeia com quem quer entrar para o bloco. Sérvia é um dos países que quer entrar para o bloco europeu.

O que acham os sérvios da ideia de aderir à UE?

A Euronews foi até à cidade de Kanjiza, no norte da Sérvia, onde moram 25 mil pessoas. Kanjiza fica na fronteira com a Hungria. Muitas pessoas da cidade trabalham do lado hungaro e viram-se obrigadas a arrendar casa do outro lado para evitar o tempo de espera na alfândega, porque sendo a Hungria um país do bloco europeu, há uma fronteira e esta requer tempo.

Um jovem, natural de Kanjiza, contou à Euronews que trabalha e vive do lado hungaro mas o trabalho que tem faz com que passe a fonteira várias vezes por semana. Contou também que o tempo de espera na fronteira pode chegar às 5 horas. Mas acredita que a adesão ao bloco possa vir a melhorar a situação.

O otimismo chega a mais gente. Um outro homem, natural de Kanjiza, também a viver e a trabalhar durante a semana no lado hungaro, também acredita que a situação fornteiriça melhore com a adesão da Sérvia à União Europeia. Diz que só trabalha do lado hungaro porque ganha o dobro, situação que acredita vir a mudar com a adesão ao bloco europeu.

O salário mínimo na Hungria é de 464,20 euros, enquanto que na Sérvia é de 308 euros.

Tempo e dinheiro e qualidade de vida, é aquilo que leva muitos sérvios a trocar de país, diariamente. É aquilo que esperam não ter de fazer com a entrada na UE.