A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Milhares regressam aos protestos em Moscovo

Milhares regressam aos protestos em Moscovo
Direitos de autor
REUTERS/Tatyana Makeyeva
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Já é considerado o maior protesto político dos últimos anos em Moscovo.

Cerca de 50 mil pessoas participaram em mais uma manifestação para exigir eleições livres e para protestar contra a exclusão de candidatos da oposição nas eleições locais de setembro. Os manifestantes, muitos em silêncio, agitaram bandeiras russas, mostraram cartazes e fotografias de ativistas presos.

É a quarta semana consecutiva de protestos. As autoridades autorizaram a manifestações deste sábado, ao contrário do que aconteceu a semana passada quando foram detidas mais de mil pessoas.

Mas quando os manifestantes saíram do perímetro marcado pela polícia e começaram a desfilar por toda a cidade houve confrontos e mais de 140 detenções. No total, em todo o país, foram detidas 245 pessoas.

Durante a manhã, a polícia deteve Lyubov Sobol um dos principais membros da oposição. A aliada de Alexei Navalni é uma das cerca de seis dezenas de candidatos da oposição impedidos de concorrer às eleições de setembro. A ativista publicou um vídeo na conta do Twitter com imagens da detenção

No final da manifestação, várias pessoas concentraram-se junto do edifício da administração presidencial. A agência Reuters cita testemunhas no local que falam em confrontos com a polícia e em dezenas de pessoas detidas.