A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

ONU preocupada com direitos humanos em Moscovo

ONU preocupada com direitos humanos em Moscovo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As autoridades russas vão acusar de "desobediência civil em massa" os manifestantes detidos no protesto de sábado em Moscovo. A polícia deteve mais de mil contestatários que exigiam a possibilidade da oposição candidatar-se livremente nas eleições municipais na capital russa. Agora, os manifestantes detidos podem enfrentar uma condenação de até 15 anos de prisão.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) pediu contenção ao Kremlin.

"Instamos as autoridades russas a permitirem a organização e participação em manifestações pacíficas sem restrições no quadro da lei internacional dos direitos humanos. Como em todo o lado, a gestão das manifestações, o uso da força por parte da polícia, deve ser sempre proporcional à ameaça, se existir, e deve ser apenas empregue em último recurso. Isso é um principio fundamental de policiamento", salientou Rupert Colville, porta-voz do ACNUDH.

A ONU levantou também preocupações sobre denuncias de que os direitos básicos dos detidos foram e estão ser violados. Mais ainda, as Nações Unidas consideram existir muitas dúvidas sobre as restrições que dezenas de candidatos independentes e da oposição enfrentam para concorrerem às eleições moscovitas de setembro.