EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

ONU preocupada com direitos humanos em Moscovo

ONU preocupada com direitos humanos em Moscovo
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos instou o Kremlin a respeitar lei internacional sobre os direitos humanos e diz-se preocupada com a alegada violação dos direitos básicos dos detidos na manifestação de sábado.

PUBLICIDADE

As autoridades russas vão acusar de "desobediência civil em massa" os manifestantes detidos no protesto de sábado em Moscovo. A polícia deteve mais de mil contestatários que exigiam a possibilidade da oposição candidatar-se livremente nas eleições municipais na capital russa. Agora, os manifestantes detidos podem enfrentar uma condenação de até 15 anos de prisão.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) pediu contenção ao Kremlin.

"Instamos as autoridades russas a permitirem a organização e participação em manifestações pacíficas sem restrições no quadro da lei internacional dos direitos humanos. Como em todo o lado, a gestão das manifestações, o uso da força por parte da polícia, deve ser sempre proporcional à ameaça, se existir, e deve ser apenas empregue em último recurso. Isso é um principio fundamental de policiamento", salientou Rupert Colville, porta-voz do ACNUDH.

A ONU levantou também preocupações sobre denuncias de que os direitos básicos dos detidos foram e estão ser violados. Mais ainda, as Nações Unidas consideram existir muitas dúvidas sobre as restrições que dezenas de candidatos independentes e da oposição enfrentam para concorrerem às eleições moscovitas de setembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Oposição russa evoca possível envenenamento de Navalny

Rússia a caminho de rasgar tratado que proíbe ensaios nucleares

Rússia lembra exigência no acordo de cereais a dias de uma reunião com Erdogan